27/06/2011

Motivos




O que não pode é perder o encanto, perder a esperança, deixar a paixão apagar e o amor adormecer...


MilaneMatias

Acumulando ensinamentos.


Então a vida vai te ensinando a não esperar demais das pessoas, a ser prudente. Pois elas vão em algum momento te deixar triste.


MilaneMatias

25/06/2011

Gratidão.




Sou eternamente grata ao destino por ele ter te apresentado a mim.


MilaneMatias




Para meu Cristalzinho ;D
(Que brega, não é amor?)

24/06/2011

Noite...


A Lua quando brilha fala de amor...♪

23/06/2011

Pecado ?


— Medo do amor Sophie? — Ele gritou. — Eu também tenho, nunca amei ninguém dá maneira que te amo. Abra meu peito, esprema meu coração, e eu ainda vou te amar, porque meu coração deixará de bater, mas não deixará de amar.

Olhei para o Michael, tentei falar algo, mas a vergonha não me permitiu, eu duvidei dele. Logo dele que me amava tanto.

— Assustada? Desculpa se te chamo de amor, se penso demais em você, se te quero ao meu lado. Desculpa minha sinceridade que te assusta. Perdoe-me por querer você Sophie. Realmente me desculpe por te amar! — As palavras dele saíram em um som baixo, mas gritantes aos meus ouvidos.

Um ardor percorreu meu corpo, me dando choques. Meu coração bateu diferente naquele momento. Uma batida frenética que se espalhava por todo meu tórax.

Eu não sei o motivo pelo qual eu sentia isso, mas eu precisava sentir Michael junto a mim. Algo que me mostrasse que ele não me deixaria àquela noite.

Meus passos rápidos e largos saíram por impulso. Quando percebi já estava frente ao Michael. Toquei seu rosto. Estava quente. Talvez quente de raiva.

O beijei com fervor, nunca tive tanta sede pelos seus lábios como naquele momento. Ele retribuiu o beijo sem me tocar. Até que eu dei um passo para trás. Então as mãos dele seguraram minha cintura, forçando-me a ficar. O toque dele arrepiou meu corpo. Derreteu meus ossos. Afrouxou meus músculos.

Quando fiquei completamente sem ar eu desprendi meus lábios dos lábios dele. Deixei que o Michael beijasse meu pescoço e meu ombro. Enquanto meus pulmões retomavam o ar inalando o cheiro do seu cabelo macio. A sua mão entrou entre os fios de meu cabelo, desmanchando o rabo-de-cavalo firme.

O deixei me guiar até perto da cama. Tudo parecia diferente. Eu não conseguia descrever a emoção que percorria meu corpo e estourava em meu coração. O seu olhar encontrou-se ao meu. Vi o quanto ele me queria.

Eu não sabia por que isso estava acontecendo, mas eu estava ao lado da cama de Michael, deixando-o tomar conta de mim.

Meu sangue pulsava rápido como os milésimos e quente como o fogo.

Arfei.

Mordi meus lábios. Beijei o Michael novamente. Os braços dele rodeavam meu corpo, me pressionando contra ele.

O que eu estava fazendo? Minhas emoções falavam tão altas, que eu não conseguia ouvir minha mente.

A respiração quente e ofegante começava a percorrer novamente meu pescoço. Enquanto as mãos dele seguiam as linhas de minhas costas e paravam na minha cintura, eu começava rapidamente a desabotoar sua camisa.

Eu realmente não me entendia. Não mandei minhas mãos retirarem a camisa de Michael, elas simplesmente foram até lá. Quando terminei de desabotoar todos os botões, Michael beijou meus lábios e soltou-me. Deixando-me livre para retirar a camisa de seu corpo.

Deixei que a camisa dele caísse de minhas mãos.

— Eu quero você para a minha vida! — Ele sussurrou em meu ouvido.

Meu corpo se arrepiou todo, uma sensação estranha tomou conta de mim. Fechei os olhos. Michael puxou minha blusa, levantei os braços o deixando retirá-la. Senti vergonha de ficar apenas de sutiã para ele.

— Eu quero estar na sua vida. — Abri os olhos para falar.

Suas mãos seguraram minha face, forçando-me a olhar para ele. Pisquei os olhos. Arfando. Só existíamos nós dois naquele momento místico e duvidoso para mim. Quando minha respiração voltara ao normal, ele me beijou novamente.

Um beijo que pretendia dizer mais do que eu imaginava. Um pacto, um contrato, uma confirmação que eu o queria. Um desejo intenso percorreu em minhas veias, fazendo minhas mãos deslizarem nas costas dele e depois voltarem sem pressa, para segurar seu pescoço quente.

Cada toque, cada respiração ofegante, cada passo leve que dávamos, estava me deixando completamente fora de mim. O beijei devagar explorando cada centímetro se seus lábios.

Eu não conseguia pensar, meu corpo agia por conta própria. Meu coração acelerou novamente. Tudo em mim estava exposto de uma maneira alucinante. Amor, ódio, medo, alegria, frio, calor, sede, barulho, silêncio, tudo era perceptivo. Cada toque dele levava a um arrepio em meu corpo. Cada beijo estremecia meus nervos, mas ao mesmo tempo suas mãos deslizando sobre meu corpo e me traziam anestesia.

Eu conseguia sentir todas as células do meu corpo ficando completamente angustiadas, assim que seu corpo ficou completamente colado ao meu. A respiração de Michael aos poucos foi voltando ao normal, os braços dele enrijecidos ainda me tocavam, me seguravam.

Meu coração, minha alma, meu corpo, tudo que eu tinha era de Michael. Enchi meus pulmões de ar, pronta para deixar tudo simplesmente acontecer. Os lábios de Michael se colaram aos meus devagar.

Se tudo fosse acabar, que acabasse em um abismo, em um lugar onde eu pudesse me jogar e morrer, para que depois não houvesse arrependimento. Mas não haveria arrependimentos, meu corpo o queria, eu tinha certeza disso!

Mas a razão muitas vezes fala mais alto que a emoção.

O que você está fazendo, Sophie? Uma voz veio a minha cabeça. A voz de minha consciência. Não devia ser assim, não daquela maneira, não agora. Porém eu já havia quebrado as barreiras, talvez se eu deixasse tudo acontecer apenas por emoção eu não me arrependesse, eu o amava e queria ser dele. Mas eu resisti. Controlei-me!

Abri os olhos, rápido. Eu estava tomada pela emoção, mas ainda assim sabia quando as coisas eram certas a se fazer. E aquilo não era.

A mão de Michael desceu do meu pescoço, pronta para abrir o feixe de meu sutiã.

— Não! — Falei me afastando dele. — Não agora, não assim! — Disse espantada.

— Desculpe-me, Sophie de verdade, eu não queria assustar você. — Ele sentou-se na cama.

Meus olhos ansiosos olhavam para chão buscando minha blusa, até achá-la no pé da cama. Vesti-a com pressa, dando as costas para o Michael. Morrendo de vergonha por tudo que havia acontecido.

Levei minha mão até minha cabeça, sem acreditar no que eu quase havia feito. Suspirei, assim que senti coragem olhei para o Michael. Sem camisa, o cabelo totalmente bagunçado, ele me olhava seriamente.




________________

3º Livro - Lembranças

Cap - 16 Inesperado


Faz tempo que não posto nada sobre Michael e Sophie. Sinto saudade deles!

Recordações


Sinto saudades...
Saudade de escrever até o dia clarear.
Saudade de ouvir uma música e imaginar momentos para os meus textos.
Saudade de sentir minhas mãos e meus pés gelados.
Saudade da fumaça do café, da música baixa.
Saudade dos olhos queimando de sono, e a cabeça queimando de idéias.

Saudade de criar, de imaginar, de descrever, definir.
Saudade de quando eu fazia o que me deixava completamente feliz.
Saudade de escrever até anoitecer.
Sinto saudade e essa saudade me faz querer...
Querer o cheiro da manhã chegando, com raios solares confortantes, macios, com cores vivas e intensas, as quais eu jogava, pitava e enfeitava meus livros.
Querer o frio na barriga, por estar escrevendo o que é proibido, o que não conheço o que apenas suponho.
Querer usar a imaginação e descrever sentimentos os quais eu nunca provei, mas que posso pressupor.
Porém, eu apenas quero, não posso ter...
Não posso! E o fato de não poder ter me deixa com saudades...


MilaneMatias


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©